Família

Dicas para começar a reorganizar as finanças

Ideias que você pode praticar para garantir a segurança financeira, durante e após o período de isolamento social

As mudanças decorrentes do isolamento social afetaram o bolso de muitas famílias. Para você ter uma ideia, um levantamento realizado pelo DataSenado revelou que 68% dos brasileiros sofreram redução de renda por causa da pandemia. Isso obrigou muita gente a pegar o papel e a caneta para reorganizar as finanças e descobrir maneiras de se adaptar a este momento.

Neste post, você vai ver algumas dicas básicas e bem práticas para criar um planejamento financeiro supereficiente, que vale tanto para os momentos de crise, quanto para quando tudo voltar ao normal. Vamos nessa? 

6 dicas para reorganizar as finanças durante a pandemia 

1. Liste as contas fixas e estabeleça prioridades 

Antes de pagar as contas, reserve alguns minutos para fazer uma lista de todos os seus gastos e para somar toda a renda disponível para o mês. É possível fazer isso por meio de planilhas, aplicativos ou mesmo um simples caderno, o importante é manter organizada a quantidade de renda que entra e sai todo mês. Assim, você consegue visualizar com mais clareza como o seu dinheiro é gasto. 

Depois de reunir essas informações, faça a você mesmo a seguinte pergunta: “Quais gastos são prioridade?”. É algo bastante subjetivo, afinal, cada pessoa é diferente e, consequentemente, as prioridades também. Mas mantenha sempre no topo da lista as contas de necessidades básicas, como água, energia, alimentação, internet e telefone. 

2. Reduza gastos  

Parece óbvio, certo? No entanto, esta pode ser uma das dicas mais difíceis de cumprir na hora de reorganizar as finanças. Faça o teste: anote todos os gastos que tiver durante um mês, desde compras grandes no mercado até a balinha comprada para a sobremesa. No fim desse período, analise quanto gastou com itens que eram dispensáveis. Esses valores podem pesar, e muito, no seu orçamento. 

Além disso, identifique todas as despesas que podem ser reduzidas, cortadas ou negociadas. Por exemplo: se for possível, mude para um plano de TV mais em conta, ou então considere manter apenas um serviço de streaming, que costuma ser mais barato. Você também pode tentar renegociar despesas como aluguel e condomínio. Comprometa-se apenas com pagamentos que estejam dentro do seu orçamento a longo prazo, assim, você passa longe do endividamento.

Outra dica, que pode facilitar muito o dia a dia doméstico, é organizar um cardápio semanal ou quinzenal. Dessa maneira, você deixa de comprar itens desnecessários no supermercado, diminui o desperdício de alimentos e evita ter que sair de casa em meio a pandemia. 

3. Estipule um limite de gastos 

Aqui entram todas as contas fixas da casa. Determine um valor máximo para aquelas que variam, como luz, água e mercado, e também para aqueles mimos que a gente se proporciona, como a pizza do fim de semana. Com os números anotados, é mais fácil ter controle sobre orçamento e reorganizar as finanças se for necessário. 

Embora existam algumas fórmulas que determinam o valor ideal para cada tipo de conta, esteja aberto para adaptá-las. Isso porque estes valores não podem ser vistos como universais. Afinal, cada família tem sua própria dinâmica e prioridades. Por isso, é fundamental analisar sua realidade e, a partir dela, fazer escolhas conscientes de consumo para manter as contas em dia e ficar financeiramente seguro. 

4. Cuidado com o cartão de crédito  

Ele pode parecer uma solução fácil, mas pode se transformar num grande pesadelo se for utilizado sem planejamento. Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em junho de 2020 o cartão de crédito era a causa do endividamento de 76,1% dos brasileiros. 

Para evitar as dívidas, crie um teto de gastos também para o cartão e evite compras parceladas. Se isso for impossível, prefira parcelar bens duráveis, como eletrodomésticos, e não os itens de consumo imediato, como alimentação. Além disso, procure sempre manter em dia as faturas do cartão e evite pagar a fatura mínima. Com isso, você evita o acúmulo delas e, mais importante, os juros! 

5. Reserva de emergência 

A dica aqui é sobre prevenção! Em tempos de pandemia, em que tudo parece tão incerto, ter uma reserva para emergências é fundamental. Tente guardar uma parcela do seu salário ao reorganizar as finanças e, se for possível, faça um pequeno investimento, mas lembre-se de consultar o gerente do seu banco para avaliar o que é viável para você. 

6. Renda extra  

Reorganizar as finanças também inclui pensar em fontes extras de renda, que podem ser coisas bem simples. Um exemplo é desapegar de itens que não são mais usados e colocá-los a venda on-line, há diversos sites que permitem criar uma lojinha própria. Outra dica é oferecer aulas ou consultorias, pois muita gente tem aproveitado o isolamento para estudar, o que aumentou a procura por cursos on-line. Identifique suas habilidades e descubra o que você pode ensinar, como idiomas, gastronomia, música, redação e etc. 

Viu só? Com um pouco de disciplina é possível reorganizar as finanças para enfrentar a pandemia com maior tranquilidade. Confira outras dicas sobre educação financeira aqui no Blog da Conquista, no Guia da Conquista e em nossos perfis no Facebook e Instagram.

COMPARTILHE ESTE POST

Relacionados: